Browse By

Performance, Processo e Estratégia no Upload Lisboa 2014

Ontem foi dia de Upload Lisboa 2014 – o tão aguardado evento anual sobre comunicação online em Portugal. O evento foi criado pela Virgínia Coutinho (@VirginiaCP) em 2009 e é destinado ao debate e partilha de ideias sobres tendências Web.

Upload Lisboa 2014

Foram 470 pessoas a assistir ao evento presencialmente; mais de 3000 pessoas assistiram online, e a hashtag #uplx2014 ocupou a 7ª posição durante o dia no Top20 dos Assuntos do Momento em Portugal no Twitter.

Neste artigo, irei partilhar as ideias principais das apresentações que achei mais interessantes.

Ferramentas Online Grátis para Estrategas Digitais

Julian Cole (@juliancole) é Head of Communications Planning da BBH e é responsável pelo planeamento da comunicação de marcas como a Playstation, Johnnie Walker e Baileys.

Em 2012, Julian criou a Digital Strategy Toolbox e escolheu o Upload Lisboa 2014 para apresentar a sua atualização, adicionando mais dois instrumentos disponíveis gratuitamente na Internet.

Upload Lisboa 2014  - Julian Cole

Julian Cole a apresentar a “2014 Digital Strategy Toolkit”. Fonte: Sara Noronha Ramos

Deixo aqui a lista atualizada e dividida em 5 grandes temas:

Consumer Research

  1. Online Research Journey Tool;
  2. Consumer Barometer;
  3. Think with Google;
  4. Google Search Trends – mede a frequência com que uma palavra , assunto ou frase específica é pesquisada ao longo do tempo;
  5. Google Keyword Planner  – mede a intenção de compra mensal.

Social

  1. Topsy – analisa a audiência da marca nas redes sociais;
  2. Talkwalker – barómetro das marcas nas redes sociais. A única ferramenta da lista que passa a ser paga ao final de 40 dias;
  3. Social Bakers – permite a interpretação entre fãs reais e “falsos”;
  4. Wiztracker – mede quantas pessoas estão a ver determinado vídeo;
  5. Facebook Ad Segmenting – permite fazer a seleção de dados através da segmentação da audiência;
  6. Hootsuite e Tweetdeck  – plataformas de gestão e monitorização das redes sociais.

Sites na Internet

  1. Similar Web – analisa a audiência e a sua origem;
  2. Quick Sprout – analisa o desempenho do tráfego, nomeadamente em termos de volume e velocidade dos websites;

Media Pagos Online

  1. Moat – anúncios dos media com maior audiência;
  2. Rich Media Gallery – recolhe dados dos media pagos;
  3. Display Benchmark Tools – faz uma análise compativa da publicidade em meios pagos.

Inspiração Criativa

  1. Webby’s Awards;
  2. Digital Buzz Blog;
  3. Creative Sandbox.

[slideshare id=40297202&doc=digitalstrategytoolbox2014finalversion-141015070652-conversion-gate01]

Uma sala de guerra para Marketing em tempo real

Amber Horsburgh (@amberhorsburgh) é Digital Strategist na Big Spaceship e trabalha hoje em dia alguns pesos pesados como a Axe e o Youtube.

Amber partilhou algumas dicas do exemplo da Sala de Guerra criada para a Google Play durante os Oscars e explicou como é que equipas de 1 pessoas podem adoptar a mesma abordagem, trabalhando durante uma semana.

Upload Lisboa 2014 | Amber Horsburgh

Amber explica como criar uma sala de guerra para realtime marketing. Fonte: Stephen Waddington

A Amber mencionou ainda que realtime marketing não é apenas para grandes eventos mas sim para gestão de crise, serviço ao cliente e para responder a críticas dos consumidores.

Deixo aqui os passos para poder replicar a estratégia da Amber:

  1. Segunda-feira: Configure no Hootsuite ou TweetDeck um dashboard (painel de controlo) para ouvir o que está a ser falado nas redes sociais sobre o evento. Crie um painel com a hashtag do evento, outro com menções às páginas do evento, outra com menções à sua marca.
  2. Terça-feira: Faça o mapeamento do evento anterior. Procure saber tudo o que poderá acontecer antes, durante e depois do evento e crie conteúdos para cada uma destas fases. Nos Oscars, por exemplo, antes do evento são feitas entrevistas no tapete vermelho, durante o evento são anunciados os vencedores e após o evento os piores e melhores vestidos são comentados/analisados.
  3. Quarta-feira: Faça o conteúdo. 
  4. Quinta-feira: Calendarize todos os conteúdos num calendário editorial.
  5. Sexta-feira: Descubra onde é que o seu cliente ou chefe irá estar, explique-lhe o processo para a aprovação dos conteúdos e obtenha a aprovação deste (seja por chat, email ou telefone).

[slideshare id=40644900&doc=warroomsrealtimemarketing-141023105739-conversion-gate01]

O Email não morreu

Parry Malm (@parrymalm) fundou em 2014  a agência Howling Mad com o objetivo de partilhar as suas técnicas inovadoras e conhecimentos especializados para ajudar as empresas a retirarem maior rendibilidade do online.

Parry fez uma apresentação provocadora onde afirmou que o email é a principal ferramenta da Internet – e não os social media – sublinhando o facto de esta ferramenta estar a ser claramente desvalorizada pelos profissionais de marketing.

Upload Lisboa 2014 - Parry Malm

Selfie do Parry no Palco durante a apresentação. Fonte: Parry Malm

Este usou argumentos como o facto de todos (ou a maioria) usarmos o email para aceder às contas do Facebook, Twitter e LinkedIn e de quando, em 2010, Mark Zuckerberg referiu que o Facebook ia acabar com o email. Consegue adivinhar qual é a marca que mais emails envia? 🙂

Parry defendeu a importância do email e referiu que são enviados 1.672.000 emails por segundo, portanto esta ferramenta é sem dúvida fundamental para a comunicação das marcas, produtos e empresas.

O orador concluiu a sua apresentação referindo que o resultado do esforço de adequar a mensagem ao público-alvo será um aumento das vendas.

Em traços gerais, Parry aconselhou a seguir os seguintes passos:

  1. Fazer o planeamento de marketing focado em dados que temos dos potenciais consumidores e utilizar o email em ferramentas que utilizam a tecnologia “CRM re-targeting” – como as “costume audiences” do Facebook ou as “tailored audiences” do Twitter, disponíveis gratuitamente;
  2. Usar o email para mostrar a personalidade da marca e gerar dinheiro;
  3. Rever o público-alvo de acordo com os dados obtidos – se a pessoa abriu ou não o email, se clicou em algum dos links, se comprou alguma coisa (e o quê?).
  4. Garanta que foi o consumidor quem lhe forneceu os dados que está a utilizar e não uma terceira parte.

Pode consultar a apresentação do Parry em baixo:

Marketing de Conteúdos Contexto

Molly Flatt (@mollyflatt) é Word of Mouth Evangelist na 1000heads, tendo desenvolvido nos últimos 7 anos o WOMAcademy Training Programme, para clientes como a Nokia, Skype, Adobe, Mars, Kew Gardens e Cancer Research UK.

Molly chamou à atenção para a obsessão que se tem assistido atualmente com o Marketing de Conteúdos, sublinhando como exemplos a Red Bull e a Nike que já não vendem produtos e se tornaram empresas de comunicação.

Upload Lisboa 2014  - Molly Flat

Molly explica a diferença entre Marketing de Conteúdos e Marketing de Contexto. Fonte: maggie_silvas

Foram referidos alguns exemplos históricos de marketing de conteúdos onde empresas criaram as suas próprias formas de comunicação – desde a invenção do Pai Natal pela Coca-Cola nos anos 20, à revista de tratores criada pela empresa John Deere.

Molly referiu ainda que os profissionais de marketing estão constantemente a empurrar conteúdos, criando grandes quantidades de conteúdos irrelevantes que geram um suave barulho de fundo.

A oradora alertou ainda que estamos a avançar para uma revolta dos consumidores, que temos de nos focar no contexto em vez do conteúdo e que temos de reconhecer que se não existe espaço para uma marca entrar na conversa, então deve ficar calada.

Upload Lisboa 2014

No evento estive ainda presente Stephen Waddington a falar sobre Gestão de Crises:

[slideshare id=39864547&doc=uploadstephen-waddington-141004024336-conversion-gate01]

Pedro Janela, fundador e CEO do WYgroup, sobre performance online, Kwame Ferreira da Kwamecorp sobre Big Data e tecnologia, Filipe Almeida e Filipe Macedo da ComOn a apresentar o caso de estudo da Ok! Teleseguros e Ricardo Nunes da Mindshare a apresentar o caso de estudo da Mazda.

Se não pode estar presente, veja em baixo o stream do Instagram e do Twitter para #uplx2014 e acompanhe o que foi falado durante e após o evento.


Para mim, o melhor do evento foi finalmente ter assistido à reviravolta das conversas em torno de interação (só ouvi a palavra 2 vezes) para performance, processo e estratégia online. 

Parabéns e um grande obrigada à Virgínia e restante organização pelo evento.

Upload Lisboa 2014

Performance, Processo e Estratégia no Upload Lisboa 2014

por Helena Dias tempo: 6 min
1