Como criar uma marca pessoal online

Com todo o burburinho em torno do tema marca pessoal online entre os profissionais de marketing digital (e não só), em cada edição do curso de Comunicação Digital na Aveiro Digital School, tenho incentivado e envolvido os meus alunos a trabalharem a sua marca pessoal online. O objetivo é que estes não só demonstrem os seus conhecimentos em ferramentas de marketing digital, mas também em criação de conteúdo, destacando as suas paixões e interesses.

Gosto deste projeto em particular, por ver o quão importante é para os alunos concluírem o trabalho e poderem apresentá-lo como portfólio à empresa onde fazem o estágio no final do curso.

Para criar as diretrizes do trabalho basei-me inicialmente numa tarefa do livro A Roadmap for Teaching Social Media da Dra. Karen Freberg e ajustei com outras ideias minhas.

Passos para criar uma marca pessoal online

Inicialmente, optei como começar com um projeto pequeno nas minhas aulas de Tecnologias no Marketing e Comunicação Digital. O objetivo do projeto era que os alunos criassem uma estratégia para criar a sua marca pessoal online e implementassem algumas das ferramentas lecionadas (por exemplo, criar um portfólio em WordPress ou um perfil no LinkedIn, tendo de alcançar o nível de perfil campeão).

O projeto está divido em algumas partes:

  1. Primeiro, encorajo os alunos a trabalharem a checklist da Dra. Freberg para a criação de uma marca pessoal.
  2. Depois, faço com que os alunos mapeiem a sua marca pessoal.
  3. Em seguida, os alunos devem criar um perfil no LinkedIn ou um portfólio em WordPress.
  4. Por fim, os alunos têm de dar pequenos passos em direção ao desenvolvimento de uma marca pessoal, fornecendo evidências de que estão a caminhar nessa direção.

Pode ver as diretrizes completas para o desenvolvimento do projeto de criação de uma marca pessoal online aqui.

Que alterações irei fazer no próximo ano lectivo:

Apesar de eu adorar este projeto, no primeiro ano em que o atribuí à turma, percebi que alguns dos alunos não fizeram praticamente nada, por diversas razões:

  1. Estávamos no final do semestre, por isso era mais trabalho para eles;
  2. Alguns não perceberam o valor do projeto;
  3. Outros simplesmente não queriam trabalhar a sua marca pessoal.

Foi por isso que este ano não dei este projeto na disciplina de Tecnologias no Marketing e Comunicação Digital (disciplina do 1º ano) e decidi mudá-lo para a disciplina de Processos de Avaliação de Report na Comunicação Digital (disciplina do 2º ano), com um pequeno twist.

O objetivo desta disciplina é que os alunos aprendam a criar um relatório de social media (leia este artigo para conhecer quais os meus principais desafios a ensinar métricas aos meus alunos). E, por isso, decidi este ano incentivar os alunos não a criarem uma marca pessoal online, mas a desenvolverem uma identidade profissional online (percebeu o que fiz aqui? 😊 ).

Assim, o objetivo será que os alunos:

  1. Implementem tudo o que aprenderam durante o primeiro ano nas diversas disciplinas, incluindo na de Princípios, Técnicas e Estratégias de Comunicação e Marketing Digital (também leccionada por mim), Técnicas de Expressão Escrita Digital, Design da Comunicação Digital e Inovação e Tecnologias no Marketing e Comunicação Digital.
  2. Tenham um portfólio para apresentar às empresas onde pretendem estagiar, mostrando o que aprenderam e executaram ao longo do curso.

Os alunos terão agora a oportunidade de criar um blog sobre algo que gostem, um Instagram criativo ou outro projeto numa ferramenta que os motive. No final do semestre, terão de apresentar os resultados que obtiveram e o que aprenderam com isso.

Da marca pessoal online para a identidade profissional online

De forma geral, estes são os passos que aconselho os meus alunos a seguirem para desenvolver a sua identidade profissional online:

  1. Pesquisar o nome no Google: Muitos ficam surpreendidos com o que encontram.
  2. Fazer o “Teste da avó”: Avaliar todo o conteúdo que publicaram até à data nas suas redes sociais e apagar todos os que não deixariam a avó ver. Além disso,aconselho-os a verificarem todas as definições de privacidade e segurança em ferramentas como o Facebook e assumiram o controlo de todo o conteúdo que é publicado sobre eles.
  3. Fazer com que seja fácil as pessoas encontrarem-nos: Escolher um username e usar o mesmo em todas as redes sociais. Adicionar os links de todos os sites e redes sociais onde têm uma presença. Por exemplo, no meu blog podem encontrar todas as redes sociais onde estou ativa. No meu LinkedIn, Instagram e Facebook encontram também o link para o meu blog.
  4. Escolher um ferramenta online para criar conteúdo de qualidade sobre eles ou um interesse deles: Um blog é uma excelente forma de começar, mas para os que sentem que não vão ter tempo para o “alimentar”, aconselho-os a usar ferramentas como o LinkedIn e o Medium para criarem conteúdos mais curtos ou o Instagram, Prezi ou Pinterest para partilhar conteúdos mais visuais.
  5. Construir a uma rede de contactos: A recomendação aqui é que usem o LinkedIn e o Twitter para encontrar pessoas para seguir, ler e conectarem-se com. Partilhar bons conteúdos. Tentar conhecer pessoas ao vivo sempre que possível. Participarem em Twitterchats.

Agora, irei transformar estes passos e cruzá-los com o projeto de marca pessoal online para criar este novo projeto.

No final do semestre, os alunos terão de apresentar todos os seus sucessos (e insucessos) à turma.

Ainda não desenvolvi as diretrizes para o desenvolvimento do projeto de criação de uma identidade profissional online, mas assim que as terminar irei partilhá-las aqui, assim como o feedback e resultados da turma.